Olá concurseiros!

Dando continuidade à série ‘Perfil da Prova’, hoje vamos falar dos exames da Fundação Carlos Chagas, agência responsável pela elaboração e aplicação de uma série de concursos públicos no Brasil. A FCC é uma instituição privada, sem fins lucrativos, voltada para a educação e a pesquisa em nível federal, estadual e municipal. Nesta série, dividida em duas postagens, vou falar sobre as provas de redação e português e o que a banca examinadora da FCC espera dos seus candidatos. Vamos à prova de redação!

 

A proposta de redação da banca examinadora FCC varia de acordo com o cargo almejado. Basicamente, há dois perfis de redação que podem ser cobrados: uma dissertação-argumentativa, em que o candidato deve apresentar uma reflexão, a partir do enunciado da proposta, sobre um tema da atualidade; ou uma redação expositiva, em que o candidato deve desenvolver um texto técnico, de acordo com a sua área. Por isso, a leitura do edital é essencial para saber que tipo de texto será exigido no concurso que você prestará. As redações de perfil técnico normalmente estão ligadas às vagas do judiciário, por exemplo.

 

Nos casos de redação dissertativo-argumentativa, a banca examinadora da FCC busca um perfil de candidato capaz de se posicionar em relação aos assuntos da contemporaneidade. Por isso, temas polêmicos ou que ainda causem tensão na sociedade podem servir de base para a proposta. Sai ganhando o candidato que, longe de ‘botar panos quentes’ no debate, busca discutir as diferentes posições existentes com mais profundidade.

 

Vale lembrar que a banca exige o uso do português formal. Para os concurseiros, sobretudo da área jurídica, lembre-se de limitar os termos técnicos somente se a redação for expositiva. Utilizar ‘juridiquês’ na prova dissertativo-argumentativa, por exemplo, faz o candidato perder pontos.

 

Bem, espero que as dicas do nosso post tenham te ajudado a entender o perfil da prova de redação da FCC. Então, hora de começar os estudos e até a próxima!

 

Professora Flávia