Olá, concurseiro!

Quando utilizamos a modalidade oral, especialmente em contextos informais, demonstramos uma grande quantidade de vícios de linguagem, uma vez que, nestes casos, não há tempo para planejar muito a fala e, muitas vezes, acabamos dizendo até o que não queremos. Isso não pode acontecer no texto quando ele deve ser escrito no registro formal, como ocorre no concurso público, pois o texto deve ser não só planejado, mas também revisado. Logo, não há desculpas para a presença dos vícios de linguagem. Para chamar a sua atenção para este problema, listamos a seguir 5 vícios de linguagem que podem matar sua redação.

 

1- Pleonasmosynchronize_filled

É o uso repetitivo de uma ideia ou a redundância de um termo em um texto. Por exemplo: sair para fora e subir para cima, pois as ideias de “ir para fora” e “ir para cima” já estão contidas nos verbos sair e subir, respectivamente, sendo, portanto, desnecessário dizer “para fora” e “para cima”. Talvez a redundância de termos seja menos frequente na redação, mas o que você deve estar atento é à repetição de ideias, pois isso torna o texto circular e cansativo.

 

2-Vulgarismocancel

O vulgarismo nada mais é do que a transposição de modos de se falar e escrever típicos de variantes populares da língua para a escrita culta. Há diversos vulgarismos, entre eles, destacamos: a monotongação dos ditongos: robar, em vez de roubar; e a intercalação de vogal para desfazer um grupo consonantal: adiministração, em vez de administração; pissiquiatra, em vez de psiquiatra.

 

3-Solecismobroken_link

O solecismo diz respeito aos erros gramaticais que ferem especialmente aspectos sintáticos, como as normas de concordância e de regência ou a colocação pronominal. Exemplos: A gente sabemos, um país preocupada, obedecer regras (em vez de obedecer às/a regras), acesso a internet (em vez de acesso à internet), eu vi ele ontem (em vez de eu o vi ontem).

 

4- Preciosismodiamond

É muito comum que os candidatos utilizem termos mais rebuscados, típicos de textos literários mais cultos e até mesmo alguns termos que já estão desuso, pensando que, com isso, terão uma boa nota em modalidade. Este é um grande equívoco, pois, o uso exagerado desses termos pode tornar o texto confuso, além disso, se você escrever termos pouco utilizados, pode ser que o corretor não conheça o significado deles e acabe não entendendo o seu texto. É importante que a linguagem do texto seja a mais clara possível, sem, contudo, ser simplista.

 

5-Obscuridadefilm_noir

Outro vício de linguagem que pode causar problemas de incompreensão do texto é a obscuridade. Ela ocorre quando uma frase é construída de um modo que se torna confusa, dificultando a sua compreensão por parte do leitor. Entre as formas de tornar um texto obscuro, estão: a sínquise (inversão da ordem natural das palavras, por exemplo: conhecimento sobre carro precário, em vez de conhecimento precário sobre carro), o uso de parênteses extensos, o acúmulo de orações intercaladas, a extensão exagerada da frase (isso inclui o uso de sujeitos muito grandes), construções intrincadas e má-pontuação. Esse tipo de vício prejudica muito a fluidez da leitura, pois causa quebra entre as ideias ou dificuldade em conectá-las de modo coerente e, por isso, deve ser evitado.

 

Todos esses vícios demonstram pouco conhecimento da norma culta e também dificuldades em construir um texto coeso e coerente. Veja que, cometendo esses erros, você pode perder pontos em três aspectos da nota, o que pode prejudicá-lo muito. Então, esteja atento aos vícios de linguagem que você tem cometido, procurando evitá-los, quando for escrever, e corrigi-los, quando for revisar seu texto.

 

Bons estudos e até a próxima!

Profa. Danusa