Olá, concurseiro!

 

Hoje vamos encerrar a nossa série de posts sobre a estrutura da dissertação. Para este encerramento, nada mais lógico que tratar da parte final do texto dissertativo: a conclusão. Não se esqueça de estudar e praticar tudo o que foi aprendido durante esta série!

Como o próprio nome diz, a conclusão diz respeito ao encerramento do texto. Nesse momento, você deve retomar as ideias centrais do texto, ou seja, tudo aquilo que você discutiu, porém de modo sucinto e coeso, apenas para que o leitor relembre o seu raciocínio.

Mas concluir não é apenas encerrar. Outro significado para essa palavra é “tirar por consequência, deduzir”, o que nos leva à outra função da conclusão na dissertação: concluir o raciocínio feito no desenvolvimento do texto. Dessa forma, sua conclusão deve estar bem “amarrada” com o que foi abordado no desenvolvimento, pois, caso contrário, ela perde o efeito de encerramento, dando a entender que algo mais será discutido, o que pode tornar o texto confuso.

Um recurso importante a ser utilizado para construir uma conclusão que de fato encerra o texto e se conecta com a argumentação são as conjunções conclusivas: portanto, logo, dessa forma, assim, por isso, etc. Elas permitem que o leitor identifique facilmente que o autor está encerrando o texto e conseguem fazer essa amarração entre argumentos e conclusão.

Veja um exemplo de uma conclusão bem desenvolvida em uma redação acima da média do vestibular da Unicamp 2003, cujo tema geral foi “progresso e retrocesso”:

 

Não é difícil, pois, perceber que nosso modelo de progresso é extremamente questionável, uma vez que, ao mesmo tempo em que damos grandes passos cientificamente, retrocedemos quase tudo aquilo que andamos social e ambientalmente. Mostramo-nos totalmente incapazes de promover, efetivamente, um desenvolvimento sustentável, deixando de lado nossa onipotência de “espécie superior” para vivermos em harmonia com a Terra e entre nós mesmos. Não conseguir desvencilhar progresso e degradação é como atear fogo à própria casa, com um detalhe significativo: estaremos dentro dela.

(Exemplo acima da média: Progresso e retrocesso: nossa dificuldade de separá-los., p. 7. Disponível em: <https://www.comvest.unicamp.br/vest_anteriores/2004/download/comentadas/CadernoQuestoes2004_fase1.pdf>. Acesso em: 15 abr. 2015.)

 

Perceba que o autor chega à conclusão de que o nosso modelo de progresso é questionável e ele explica por que: ao mesmo tempo que avança cientificamente, retrocede socialmente e ambientalmente. Essa explicação retoma, de forma sucinta, o que ele discutiu no desenvolvimento, reforçando, assim, o raciocínio desenvolvido. E ele termina com uma metáfora que dá ainda mais força à sua conclusão. Este é um bom jeito de encerrar o texto, com metáforas e frases de efeito, pois elas reforçam o ponto de vista e aproxima o leitor dele. Mas lembre-se, elas são um complemento, você deve explicitar a conclusão a que chegou de maneira clara e objetiva.

Esperamos que vocês tenham compreendido melhor a estrutura da dissertação com a nossa série e que tenham percebido que essa estrutura não é, na verdade, um bicho de sete cabeças: basta se lembrar de que as palavras que nomeiam cada parte da dissertação já apontam para a sua função e considerar as análises e dicas que demos aqui. Por fim, ponha em prática o que foi aprendido! O treino é essencial para quem deseja escrever uma boa redação na prova do concurso público.

 

Bons estudos e até a próxima!

Profa. Danusa