Olá, concurseiro!

 

Eu sou a professora Danusa e vou acompanhar vocês até o início do ano que vem, enquanto a professora Flávia está de férias. Vamos continuar uma série de posts para analisar algumas propostas de redação que já apareceram em provas de concurso público. Mas antes quero explicar um pouco sobre a importância dessa série. O objetivo dela é te ajudar a não ficar perdido ao ler a proposta de redação, a superar aquele momento em que você pode se perguntar: “E agora, por onde eu começo?”.

Bom, para que isso não aconteça, é importante, em primeiro lugar, saber como a entidade responsável pela prova costuma tratar a redação. E como você pode fazer isso? Buscando por provas anteriores, lendo o edital com cuidado e treinando bastante a sua redação. Fique atento também aos temas que costumam ser abordados. É claro que não é possível prever qual tema irá aparecer na proposta, mas dá para perceber que tipo de assunto determinada entidade aborda com frequência, por exemplo, se aborda mais questões de ordem jurídica, social, ambiental, etc. Aliás, este é um outro ponto importante. Muitos concursos, ao invés de solicitarem uma redação com tema mais amplo, avaliam a escrita do candidato por meio de questões dissertativas, do tamanho de uma redação padrão, que abordam tópicos relativos ao cargo pelo qual você está disputando. Por isso, lembre-se: a primeira coisa que você deve fazer é conhecer o terreno onde irá pisar, ou seja, conhecer bem o tipo de prova que irá fazer.

Este é um trabalho anterior à prova. Estando lá, diante da folha em branco, a primeira coisa a se fazer é ler o enunciado com atenção e compreender o que pede a proposta. Você pode pensar: “Mas há tanta coisa a dizer sobre esse tema, por onde começo?”. Sim, um tema pode ser abordado de várias maneiras, a partir de ideias diferentes, mas é aí que entra sua primeira ação como candidato que está sendo avaliado: recortar e selecionar ideias para defender um determinado ponto de vista.

Por exemplo, vamos supor que o tema da redação seja “A corrupção no Brasil”. O tema, por si só, não te dá nenhuma diretriz sobre como abordá-lo, então cabe a você pensar quais ideias podem ser selecionadas. Você pode fazer isso definindo primeiro uma tese a ser defendida, para depois elencar as ideias que podem defendê-la ou o inverso, primeiro você pode pensar em algumas ideias e verificar se elas podem ser trabalhadas em torno de um ponto de vista. O importante, neste momento, é definir um foco para o seu texto e selecionar as ideias que se relacionem de modo adequado a este foco. Isso é o que chamamos “projeto de texto”. Outro ponto importante é observar quais elementos a proposta te dá, pois muitas provas de redação oferecem ao candidato o que podemos chamar de “coletânea” ou “textos de apoio”, que podem te ajudar a entender um pouco mais sobre o tema (caso você não tenha domínio sobre ele), a definir seu projeto de texto e fortalecer seus argumentos.

Assim, nada de pânico na hora de ler a proposta de redação! Respire fundo, leia a proposta com cuidado e procure extrair tudo o que ela pode te oferecer. E não se esqueça: procure conhecer o tipo de prova que você irá realizar. No próximo post, voltaremos a analisar algumas propostas de redação das principais fundações que promovem concursos públicos. Não deixe de estudar!

Até a próxima semana!

 

Profa. Danusa