Olá, concurseiro!

Conforme prometi na semana passada, hoje vou contar para você quais são as funções da palavra mesmo. Nós vimos no post anterior que aquele uso bastante frequente de mesmo como uma espécie de pronome pessoal está errado de acordo com a gramática. Ficou a dúvida então sobre como devemos utilizar essa palavra, o que espero desvendar aqui neste post.

A palavra mesmo é não só polissêmica (tem vários sentidos), como polifuncional (desempenha diversas funções sintáticas na oração). Por isso disse que essa era uma história para outro post, pois há muito o que dizer sobre essa palavrinha tão presente no nosso vocabulário no dia a dia.

Vamos começar pela função adjetiva de mesmo. Como adjetivo, mesmo significa “igual, idêntico, análogo”. Observe na frase: “Eu tenho o mesmo sonho que você: andar de navio.”. Perceba que mesmo está qualificando o substantivo sonho como igual, idêntico, portanto, tem a função de adjetivo.

Da função adjetiva decorre a função substantiva de mesmo. O que ocorre é que o substantivo modificado por mesmo é oculto e fica apenas o adjetivo na frase, cumprindo agora a função de substantivo. Ex.: Eu disse o mesmo a ele = Eu disse a mesma coisa a ele. Perceba que esse processo ocorre também com outros adjetivos: “O esperto saiu correndo na frente.”; “O bonito deixou tudo aqui para eu arrumar.” (o menino esperto/o menino bonito). Lembrando que nos dois casos esse uso parece ser irônico.

Algo similar ocorre no uso de mesmo como pronome demonstrativo. Observe o enunciado apresentado pelo Dicionário Aulete “Esse pássaro é o mesmo que estava com a asa machucada.” (Disponível em: <http://www.aulete.com.br/mesmo>. Acesso em: 26 maio 2015). Poderíamos dizer “esse pássaro é o mesmo pássaro que”, o que seria um pouco “deselegante”, então podemos substituir “o mesmo pássaro” por “aquele” ou ainda por “mesmo”.

Mesmo pode também funcionar como um reforçador quando articulado a nomes e pronomes, com o objetivo de enfatizar que “se trata exatamente do ser ou da coisa em questão”, como nos mostra o Aulete. Ex.: “Eu mesma fiz o bolo.”; “Eu quero esse mesmo.”; “Ele julgou a si mesmo como incapaz”, etc.

Outra função de mesmo, similar a anterior, é a de advérbio, sendo equivalente, nesse caso, aos advérbios: ainda, até, precisamente, realmente, de fato.

Ele estava machucado mesmo. (De fato ele estava machucado)

Mesmo durante o dia, aquela rua é perigosa. (Até durante o dia aquela rua é perigosa)

Temos ainda outra função para essa palavrinha multifuncional, a função de conjunção concessiva, equivalente a “ainda que”, “embora”. Veja o exemplo

Mesmo sabendo que estava errado, ele não assumiu.

Por fim, temos ainda algumas expressões bastante utilizadas, tais como “na mesma” e “dar na mesma”, que indicam que uma situação continua como estava, que não houve mudanças.

Viu só como o mesmo trabalha na língua? Nossa intenção não é que você decore todas essas funções, mas apenas para que entenda o funcionamento da palavra mesmo, pois, palavras polifuncionais como essas muitas vezes podem nos confundir. Mas fique tranquilo, em geral, no uso cotidiano da língua muito provavelmente você a utiliza em todos esses contextos de maneira correta. Porém, fique atento ao seu uso na escrita. Quando for redigir ou revisar sua redação veja se o uso está correto, até porque há bancas de concurso que tiram pontos para erros gramaticais. Você não precisa lembrar da classificação gramatical, mas do sentido e da função que ela desempenha na frase, verificando se não há algum “ruído”.

Espero que vocês tenham entendido melhor o uso dessa palavra e, principalmente, de onde veio o uso errado do qual falamos na semana passada.

Bons estudos e até a próxima!

Profa. Danusa