Olá, Concurseiro!

Neste post, tratarei a respeito de uma pergunta muito recorrente em nosso site: Como interpretar os enunciados das questões de lógica e matemática nas provas de concurso público? Para complementar esta pergunta, apresento outra: como podemos reescrever essas questões de uma forma mais clara e que nos possibilite tratá-las de forma matemática?

Para começar nessa empreitada, devemos ter a ideia de um conceito muito utilizado pelos matemáticos: a linguagem através de símbolos.


hieroAs primeiras tentativas de se criar sistemas de escrita aconteceram por volta de 4000 a.C.. Os sistemas mais rudimentares apareceram muito antes que os primeiros alfabetos ganhassem forma.

De fato, não podemos atribuir o surgimento da escrita a uma única sociedade. Em épocas bastante próximas, civilizações americanas, egípcias, chinesas e mesopotâmicas começaram a desenvolver seus sistemas de representação gráfica.

Um exemplo de escrita rudimentar é a que foi encontrada em placas de barro feita pelos sumérios. Nessas placas, os desenhos buscavam reproduzir o objeto de forma que cada símbolo representava um único objeto.

Mais tarde, o homem passou a representar ideias ou conceitos (ideografia) até, finalmente, chegar à representação dos sons, das sílabas e das vogais das palavras, configurando, assim, a ortografia.. Com isso, deu-se a possibilidade para a criação do alfabeto, ou seja, um conjunto de letras que representam os sons ou conjuntos de sons de uma língua.

O suporte para a escrita também mudou. Como vimos, os sumérios usavam placas de barro. Com o passar do tempo, as civilizações passaram a usar outros materiais, como na Roma Antiga, em que se utilizava pergaminhos e a escrita era desenhada com instrumentos feitos por hastes de bambu ou penas de aves.

escritamedievalA forma de representar as letras também mudou na sociedade ocidental. Enquanto que na Roma antiga escrevia-se somente em letras maiúsculas, na Idade Média, em pleno século VIII, já podíamos desfrutar das letras minúsculas.

Bem, depois dessa breve exposição histórica, você pode estar se perguntando: Como a História nos ajuda com a pergunta de hoje? Em tudo! Se todas as civilizações utilizaram símbolos para representar situações, quantidades, ações ou a sua própria História, faremos o mesmo.

Vamos utilizar os símbolos que nos são mais comuns, ou seja, o nosso próprio alfabeto para a nossa missão.

Vejamos na questão do concurso abaixo:

 

2014 -FCC – Técnico Judiciário

Vou à academia todos os dias da semana e corro três dias na semana. Uma afirmação que corresponde à negação lógica da afirmação anterior é:

 

a) Não vou à academia todos os dias da semana ou não corro três dias na semana.

b) Vou à academia quase todos os dias da semana e corro dois dias na semana.

c) Nunca vou à academia durante a semana e nunca corro durante a semana.

d) Não vou à academia todos os dias da semana e não corro três dias na semana.

e) Se vou todos os dias à academia, então corro três dias na semana.

 

Faremos o que todas as civilizações fizeram: substituiremos sentenças por símbolos, ou seja, vamos rotular “Vou a academia todos os dias da semana” como sendo a proposição P e “corro três dias na semana” como sendo a proposição Q.

Desta forma, podemos transformar a proposição como sendo: P e Q. Seguindo as regras das proposições, sabemos que a negação será: ~P ou ~Q, ou seja, a negação de P ou a negação de Q.

Tendo agora a nova proposição formada pela negação, podemos novamente fazer a substituição, agora da forma matemática para o modelo de sentença. Substituindo, encontraremos a seguinte frase: “Não vou na academia todos os dias da semana ou não corro três dias na semana”, o que nos leva à alternativa A.

Esperamos que o texto tenha ajudado a esclarecer suas dúvidas e que contribua para você bem estudar raciocínio lógico-matemático! Continuem nos escrevendo para que eu possa esclarecer suas dúvidas nos próximos textos.

 

                                                            Prof. Marco Antonio Lopes

                                                            Matemática Definitiva para Concursos