Olá, concurseiro

Já mostramos como uma boa sessão de cinema pode ajudar você a ampliar seu repertório sociocultural produtivo, tão importante na construção de sua redação, melhorando seus conhecimentos sobre História. Dando sequência a nossa lista de filmes que podem ser utilizados em seu texto, concurseiro, hoje abordaremos três belos títulos que fazem alusão à desumanidade da Segunda Guerra Mundial.

 

cemeteryOs três filmes apontados neste artigo tratam o terrível massacre dos judeus a partir de pontos de vista repletos de ingenuidade, o que confere às obras tom mais pueril, comovendo o expectador que é levado a trocar de lugar com os protagonistas das histórias. É possível, ao assistir aos três títulos, vivenciar o sofrimento daqueles que passaram por situações análogas às apresentadas, além de se tomar contato com alguns detalhes sórdidos da guerra.

 

film_reelA primeira obra é o clássico A vida é bela, película italiana de 1997, idealizada e encenada por Roberto Benigni, que vive o personagem Guido, judeu levado ao campo de concentração nazista juntamente com seu pequeno filho. Diante das atrocidades nazistas e da precariedade das instalações em que deveriam permanecer, Guido convence o pequenino de que ambos estavam ali em vista de uma competição, da qual os vencedores ganhariam um tanque de guerra. Trata-se de um filme que, apesar de abordar um triste assunto, passa a quem assiste um fio de esperança nas atitudes e nas relações humanas. O ponto de vista do menino, filho de Guido, é que faz da obra um misto de força e delicadeza na abordagem da Segunda Guerra Mundial.

 

clapperboard_filledSeguindo o mesmo tipo de ponto de vista infantil, está o conhecido O menino do pijama listrado, de 2008, cujo enredo é baseado em livro homônimo de John Boyne. Dirigido por Mark Herman, o título mostra a degradante situação dos campos de concentração nazista a partir do olhar de Bruno, filho de um general submisso aos comandos de Hitler. Na história, a família de Bruno precisa mudar-se, uma vez que o pai fora convocado a assumir cargo elevado em uma cidade do interior da Alemanha, na década de 1940. O que o pequeno e tampouco o restante da família sabiam é que este novo cargo se relacionava com a gerência de um campo de judeus. Bruno, ao explorar as redondezas do novo lar, conhece Shmuel, pequeno judeu aprisionado. A inocência de Bruno pode bem ser observada quando ele pergunta ao novo amigo o que ele fazia de pijama, referência ao traje listrado dos prisioneiros naquele ambiente hostil.

 

movie_projector_filledO terceiro filme que recomendamos é o belíssimo Trem da vida, que conta as tristezas da guerra seguindo o ponto de vista de um louco. O drama holandês, de 1998, mistura à trama uma pitada de comédia, já que o protagonista é habitante de uma pequena aldeia da Europa Ocidental que convence os vizinhos a engendrarem um plano de fuga daquele lugar, pois a invasão nazista era iminente. Desse modo, a comunidade consegue arranjar um trem, o qual é devidamente disfarçado de comboio de soldados ligados ao III Reich. Alguns personagens, vestidos com uniforme de soldados, “arranham” a língua alemã e, assim, pretendem enganar os nazistas e escaparem do aprisionamento em campos de concentração.

 

ideaO que se pode observar nos três filmes, por fim, é a necessidade humana de fugir da realidade atroz, seja pelo sonho, pela fantasia ou pela loucura, formas de sobrevivência diante da hostilidade da situação. São três lindas obras que realmente valem a pena!

 

O que você está esperando, concurseiro! Esta é uma boa programação para o seu final de semana.

 

Boa sessão pipoca e até a próxima!

Profª Aline