Olá, concurseiro!

Neste texto, vou destacar a importância dos especialistas da área de Linguística e Língua Portuguesa na sua vida. Parece até meio dramático colocar deste modo, mas não é, desde que você entenda que este profissional, além de cursar uma graduação especializada nesta área, passa pelas experiências reais de ensino da nossa língua, correção de redações em diversas situações como sala de aula, vestibulares, concursos e, além disso, escolhe continuar estudando e analisando (seja na especialização, mestrado, doutorado e pós-doutorado) questões relativas a essas temáticas.

Considerando isso, já dá para se convencer da riqueza de construção de conhecimento que é cruzar com uma pessoa dessa quando você vivencia o momento de preparação para as provas de concurso. Este expert tem muito a oferecer. Você, não sendo especialista neste campo de estudo, já imaginou a diferença entre estudar com a ajuda de um deles e sem ajuda de um conhecedor como este?

Em quais situações um professor poderia me ajudar?

Vamos juntos considerar algumas situações, principalmente relacionadas à escrita de redações para concursos públicos:

Quando você se disponibiliza a treinar a escrita de redações antes do seu concurso

Você sabe que precisa escrever uma redação que atenda as exigências da proposta disponibilizada na prova, mas existem algumas estratégias de leitura que, se você contar com a ajuda do especialista, podem otimizar tanto o planejamento quanto a escrita do seu texto. Por isso, é melhor realizar um treinamento com um punhado de redações acompanhado por este profissional do que escrever 100 redações sozinho e sem orientação.

Quando você acha que é só trocar as palavras por sinônimos para parecer mais erudito na sua redação

Neste caso, o profissional da área pode te auxiliar na compreensão das implicações semânticas (referentes ao sentido do que você quer empregar no texto) das suas escolhas lexicais e como elas podem ou não enriquecer a discussão que pretende travar na redação. Quando você busca na internet a lista de sinônimos, por exemplo, para não repetir as palavras no texto, não se pode simplesmente trocar um por outro, uma vez que sua escolha interfere na condução argumentativa.

Escrevendo este texto para vocês, concurseiros, para não repetir todas as vezes a palavra “especialista”, encontrei na lista de sinônimos as palavras “perito”, “mestre”, e “autoridade”. Resolvi não utilizar estas palavras no mesmo lugar da primeira porque a proposta aqui da minha escrita não é construir uma distância entre o profissional e o aprendiz, mas sim um ponto de diálogo para que a construção do conhecimento se efetive.

Por isso, avaliei que estas três palavras não corresponderiam com esse encaminhamento que quis conduzir porque, semanticamente, elas remetem a uma hierarquia quase que estável entre o estudioso e o aprendiz, e então optei por não selecioná-las e abordá-las somente como lugar de reflexão.

Quando você quer estudar as conjunções para ligar as ideias de seu texto e acha que todas tem o mesmo “peso”

Sempre ouvimos que as conjunções são muito importantes para a condução da argumentação em uma redação, mas é preciso ir além da leitura da lista das conjunções. Elas devem ser pensadas no planejamento do texto, quando estamos na etapa da elaboração do projeto de texto que vamos escrever. Isso porque, dependendo da condução dos argumentos que pretendemos construir, existem algumas conjunções que são mais eficazes que outras, mesmo se elas estiverem no mesmo grupo semântico.

As conjunções ou locuções conjuntivas aditivas, por exemplo, que não por acaso são as mais utilizadas pelos estudantes (uma vez que unem uma ideia a outra pela noção de somatória), são apresentadas pela gramática como “e”, “nem”, “não só…mas (como) também”, “bem como”, “não apenas”, “como ainda”, “além de”, “além disso”, “ademais”, etc. Se você utilizar a mesma frase somente trocando uma conjunção pela outra, ou você vai precisar acrescentar mais informações para a construção da totalidade da ideia ou vai perceber uma nuance de alteração de sentido. Isso vai, com toda certeza, interferir no processo de construção argumentativa da sua redação. Observe o exemplo a seguir retirado de uma notícia jornalística:

Petista chama Guedes de “tigrão” e “tchutchuca” e sessão acaba na delegacia

(Fonte: https://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2019/04/03/deputados-chama-guedes-de-tigrao-com-aposentados-e-tchutchuca-com-ricos.htm)

 

Lendo a notícia, percebemos que aconteceram dois eventos: a ação do petista de designação dos apelidos a Guedes e a ida à delegacia. Esta é a ideia de soma apresentada pela conjunção. Vamos fazer o exercício simples de substituir este “e” por outra expressão conjuntiva do mesmo grupo semântico:

 

Petista não só chama Guedes de “tigrão” e “tchutchuca” como também sessão acaba na delegacia

Se você achou que esta substituição não alterou em nada o sentido da frase, está redondamente enganado! A ideia de soma permanece, mas a própria substituição oferece uma carga de entonação muito mais pesada do que a frase original, principalmente porque reforça a ideia da “inconveniência” do petista tanto na escolha da metáfora quanto pela consequência dessa escolha para a forma como acabou a sessão da câmara após este episódio.

Quando você estuda somente por apostilas e quer seguir as “regrinhas” da estrutura da redação

Está disponível a todos, digital ou impresso, a estrutura de uma redação dissertativa, assim como estão as bulas de remédio e as receitas de bolo. Trouxe um exemplo da área de saúde e outro da gastronomia para dizer que, na área de Linguística e Língua Portuguesa, assim como essas duas citadas, não é porque temos acesso à informação que, por consequência, conseguiremos executá-la com sucesso.

A automedicação pode ser perigosa; uma receita feita pela primeira vez pode desandar; uma redação escrita somente a partir das regras não necessariamente será uma boa redação, e um bom professor de Língua Portuguesa vai te mostrar que o conhecimento do esqueleto da redação através da prática é um dos fatores que precisam ser considerados quando estudamos a produção textual.

Quando você acha que a ação de escrever é igual para todo mundo

A sua história de escrita é única. Ela tem a ver com a forma que a necessidade de escrever um texto chegou para você. Se foi só na escola, fora da escola, se você teve que escrever para algum blog, jornal etc. Isso interfere na dificuldade ou facilidade que você encontra no seu processo de estudos para a redação do seu concurso.

Entretanto, cuidado ao pensar que quem já escreve em outras circunstâncias vai necessariamente conseguir produzir melhores redações para concursos. O desconhecimento das exigências específicas desse tipo de prova aumenta o risco de a pessoa trazer para os textos dissertativos alguns vícios de outros gêneros (notícias de jornal, textos jurídicos, textos científicos, etc.) que podem comprometer a boa execução da argumentação. Está aí outro ponto que o especialista pode ajudar: o balanceamento e equilíbrio dos conhecimentos que o aprendiz traz quando escreve uma redação.

As 5 principais vantagens de ter suas redações corrigidas por bons professores

Considerando essas situações, podemos elencar 5 vantagens de ter suas redações corrigidas por bons profissionais da área:

1. Contato com o profissional especializado

Todo o feedback elaborado por ele serve como um material de estudo para que você melhore cada vez mais seu desempenho nas suas redações. Com o olhar treinado, ele sabe quais pontos devem ser focados e, dentro do estágio em que seu texto se encontra, o que deve ser mais ou menos explorado. Nesse sentido, você não se perde em algumas questões mais relacionadas somente à gramática (pontuação, concordância etc.) porque o professor te mostra que é preciso enxergar mais amplamente quando se trata de redações, uma vez que a questão da abordagem do tema e da condução argumentativa são, na maioria das vezes, elementos cruciais para a elaboração de um bom texto.

2. Atendimento personalizado

Com o knowhow que adquire na formação em Letras e Linguística, o professor pode apontar os problemas do seu texto não somente de forma geral, mas também a recorrência de pontos que precisam ser mais estudados e explorados a partir do seu jeito de escrever. Algumas pessoas são muito prolixas, outras muito concisas, outras apresentam problemas para escolher os argumentos, enfim, uma vez identificados o que deve ser melhorado no seu caso, ele pode te apontar caminhos a serem percorridos nas suas próximas produções textuais.

3. Direcionamento para a autonomia no processo de escrita

Se você oferecer abertura para aprender a partir dos apontamentos realizados pelo especialista, mencionados na vantagem 2, você vai entender que toda a ajuda oferecida por ele não ocorre para enquadrá-lo em um padrão de texto e de autor de redação, mas sim de acompanhá-lo no seu próprio percurso de se descobrir como um sujeito que escreve e tem um estilo trabalhar um tema em um texto dissertativo. Sendo assim, a contribuição maior do professor é a de te auxiliar no seu próprio caminho como autor de redação, delegando a você uma autonomia e não uma dependência.

4. Conscientização da relação intrínseca entre linguagem, indivíduo e sociedade

Entrando no processo de busca desse autoconhecimento do seu próprio jeito de escrever e lidar com as informações em um texto, o profissional da linguagem vai, indiretamente, te mostrar que todas as ações que realizamos nas situações comunicativas (e prova de concurso é uma delas) ocorrem por meio da linguagem. Então, ela é a ponte entre nós e os outros com os quais vivemos e interagimos. Você acaba tendo maior noção deste pertencimento que tem à comunidade linguística com a qual você se relaciona.

5. Confiança de que se está fazendo o certo

Sob a orientação deste especialista, você vai aprendendo como lida com as situações avaliativas que envolvem linguagem. Você não se sentirá perdido porque não vai se limitar só ao texto em si, mas vai considerar tudo o que envolve a produção textual. Ou seja, a leitura de mundo que você vai realizar ao produzir um texto já partirá de uma abordagem mais madura quando realizar o planejamento da produção escrita.

Viu como eu não estava exagerando quando disse no começo do texto que uma pessoa dessa é importante na sua vida? Espero que daqui para frente você leve esses pontos em consideração!

 

Bons estudos e boas interações com os professores!

Profa. Aline Manfrim