Vou começar o post de hoje com uma máxima: Não sei se a persistência é uma característica de todos os concurseiros, mas é, com certeza, uma qualidade. É muito difícil passar no primeiro ou no segundo exame e muitos candidatos podem esperar um longo tempo para alcançar a tão desejada vaga. Em um cenário em que a falta de foco e o desânimo podem levar até à desistência, ser paciente passa a ser determinante para o sucesso do concurseiro.

Quem não passa em um concurso pode assumir duas posturas: a do desencorajamento ou a da experiência. Os concursados de hoje, certamente prestaram vários concursos antes e optaram pela segunda opção. Em cada experiência, foram transformando os erros em acertos, definindo seu percurso de estudos e escolhas com mais exatidão. É verdade que passar ou não no concurso faz muita diferença para a vida do concurseiro, mas a experiência de prestar o concurso é cumulativa e muito rica.

Prestar concursos é como aguardar em uma fila. Quando se decide prestar um concurso público, temos que considerar que há concurseiros mais antigos, que já iniciaram a sua preparação em momentos anteriores. Apesar de ter que concorrer com pessoas que já prestaram outros concursos ou que estão estudando há mais tempo que você, o tempo de estudo não é um fator definitivo para os resultados finais da prova (ainda bem!). Com isso, quero dizer que há várias maneiras de avançar nesta “fila”. Quanto mais você investe na formação necessária, mais candidatos vai deixando para trás.

Por isso mesmo, reprovar em um concurso não significa que você não deu o melhor de si, ou que não é bom o suficiente. Ter êxito no concurso também é uma questão de tempo. Então, se não der desta vez, pegue alguns dias ou uma semana de descanso, reveja o seu planejamento, os seus pontos fracos e recomece com uma nova perspectiva. Desistir nunca, render-se jamais!

 

Professora Flávia