Olá, concurseiro!

Nos posts anteriores, discutimos de maneira mais ampla o que seria ortografia e a visão que se tem sobre ela. A partir de hoje, vamos tratar da parte prática desse tema, mostrando algumas dificuldades que as pessoas costumam ter com a ortografia. Este é um assunto extenso, poderíamos ficar o resto do ano tratando de problemas de ortografia, por isso, vamos citar apenas alguns dos problemas mais comuns.

 

Confusão de grafia por causa do som de certas palavras

Os erros mais frequentes de ortografia são aqueles em que se confunde o som de uma palavra com a sua grafia. Entre eles, destacamos:

  • O som [s] que pode ser grafado como s, ss, ç e sc: quis, passado, caça e piscina.
  • O som [z] que pode ser grafado como z, s e x: organizar, casa, exame.
  • O som [x] que pode ser grafado com x ou ch: mexer, chamar.

Palavras similares que se diferenciam por uma ou duas letras apenas

Isso ocorre bastante com as vogais e/i e o/u, assim como com as consoantes r/l e d/t. É importante estar atento a essas palavras, pois, neste caso, ao contrário do que ocorre no caso anterior, há mudança de sentido se houver troca de letras. Veja os exemplos:

eminente (que ocupa posição elevada) x iminente (que está prestes a acontecer)

comprimento (medida) x cumprimento (saudação ou ação de cumprir algo)

infringir (descumprir ou violar) x infligir (impor, submeter, causar prejuízo)

mandado (ordem judicial) x mandato (período de exercício de poderes políticos)

 

Há casos de palavras e expressões similares cuja confusão é causada por outros fatores:

mas (conjunção adversativa) x mais (advérbio de intensidade)

                  afim (que tem afinidade com) x a fim (com o objetivo de, para)

à medida que (à proporção que) x na medida em que (por causa de, visto que)

Variação de palavras invariáveis

É muito frequente a flexão de palavras invariáveis, sendo os casos mais comuns os advérbios menos e meio. Os advérbios são palavras que acompanham o verbo, o adjetivo e outro advérbio, indicando, em geral, alguma circunstância, por isso, não devem ser flexionados. Assim, o correto seria:

Tem menos casas neste bairro, e não: Tem menas casas neste bairro.

Ela é meio devagar, e não: Ela é meia devagar.

*No caso de meio-dia e meia, não se trata de um erro, pois meia aqui é numeral, concordando com o substantivo que determina – meia hora.

Isso vale também para o verbo haver, que, no sentido de “existir”, não é conjugado, e também para o verbo fazer, que, quando expressa tempo decorrido, não varia. Logo, o correto é:

Houve muitos casos de dengue neste ano, e não: Houveram muitos casos de dengue neste ano.

Havia muitas pessoas no local, e não: Haviam muitas pessoas no local.

Faz muitos anos que não a vejo, e não: Fazem muitos anos que não a vejo.

 

Esses são alguns dos problemas mais recorrentes de ortografia. Na semana que vem falaremos de outras dificuldades que muitos alunos demonstram em seus textos.

Bons estudos e até a próxima!

Profa. Danusa